Horario Nobre, Centralizador de Conteúdo
Bem vindo
Login / Registrar

Denise Campos de Toledo / Indexação e incertezas ainda afetam a inflação

Featured
Carregando...

Obrigado! Mostre para seus amigos!

URL

Você detestou este video. Obrigado pela sua opinião!

Sorry, only registred users can create playlists.
URL


Adicionado em by in Jornal da Gazeta Cotidiano
91 Visualizado

Descrição

A alta do IPCA-15, que é a prévia da inflação oficial, superou as projeções, mas não alterou a expectativa de uma inflação mais baixa, que possa ficar ao redor de 7% no fechamento deste ano. A pressão agora veio muito de alimentação e vai perder força com a normalização da oferta do feijão, do arroz, do leite, que são os produtos que mais estão pesando. De qualquer modo, a inflação mostra resistência, o que até justifica a manutenção dos juros elevados pelo Banco Central. Mesmo com a recessão e o dólar mais baixo, que induzem um comportamento melhor dos preços, a inflação ainda está rodando num nível muito alto. Deve fechar o ano acima do teto da meta, que é 6,5%. Tem essas pressões inesperadas; tem a indexação, ainda muito presente na nossa economia, que é a correção de preços e serviços com base na inflação passada; e tem as incertezas em relação ao ajuste das contas públicas. O governo, a nova equipe econômica, estão gerando maior confiança em relação ao ajuste fiscal, com propostas de reformas, como da Previdência, limitação de gastos... Mas o avanço dessas propostas vai depender muito do clima político, até da definição do impeachment. Enquanto não houver maior segurança e começarem a aparecer dados mais concretos, referentes à esperada melhoria das finanças, o governo, com gastos acima da receita, continua atrapalhando o controle da inflação. Isso foi até destacado pelo Banco Central no comunicado que veio junto com o anúncio da manutenção da taxa básica em 14,25% ao ano. Só a previsão de inflação mais baixa não garante corte dos juros. Mas, o ambiente é de maior confiança. Confiança no ajuste das contas públicas, no comportamento da inflação, na reversão da crise e, por causa desse ambiente mais favorável, a expectativa ainda é de alguma redução dos juros antes do final do ano. Portanto, podemos fechar 2016 com dois dados favoráveis à retomada do crescimento, que é a inflação mais baixa, com juros um pouco menores. Além, é claro, de outras medidas que podem ajudar, como a aceleração das concessões, de privatizações, fora a retomada de investimentos, aumento das exportações. Ao contrário de alguns meses atrás, agora há um horizonte, pelo menos, de reorganização da economia. Eu volto na segunda. Até lá.

Envie um Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar
RSS